O ocaso dos poderosos

O rei se cerca da corte,
ignora o murmurinho das ruas
como informes desimportantes
que recebe em seu castelo.

Perdido em suas pequenas intrigas,
preocupado com seu vinho francês,
não vê o arraste a se consumar,
a pólvora a explodir em sua barba.

Quando sente o cheiro da plebe
desespera-se, ordena execuções,
imprime decretos sem fim,
acusa conspirações pelas esquinas.

Não entende a onda que cresce
e invade por todos os lados
daqueles que trazem a conta
por tantos anos de exploração.

Essa onda que cobrirá tudo
com sua força estrondosa,
inundará o povoado e de onde
não mais sobrarão reis

Antunes, 2017.

Anúncios
Imagem | Esse post foi publicado em Poemas. Bookmark o link permanente.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s