Descompasso

Os ventos acariciam a relva
enquanto um cachorro preguiçosamente
se acomoda para deitar

Um sabiá passa voando
pelas rosas que crescem no roseiral
com a raiz na terra úmida pelo orvalho

A velha senhora abre a janela
preguiçosamente se alongando
o sol aquece seu rosto
e a madeira do batente

É o mesmo sol que ilumina a janela de metal
refratando corpos curvados
e o rosto doído de homens na fábrica
trabalhando a preços vis

longe dali.

Antunes, 2012.

Anúncios
Imagem | Esse post foi publicado em Poemas. Bookmark o link permanente.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s